Livre-se da Pressão “DO FAZER”

01/04/2010 10:07

Não se perturbe se você for capaz de trabalhar eficientemente numa mesa
desorganizada, cheia de papéis e documentos, e, simultaneamente, ainda avançar num
emaranhado de projetos que nem sempre têm a ver entre si. Os conceitos tradicionais da
boa gestão do tempo são geralmente válidos, mas nem sempre para todas as pessoas e
nem se aplicam a todas as situações. É preciso, no entanto, que você esteja realmente
seguro se é uma dessas exceções ou se não está apenas justificando os seus maus
hábitos do uso do tempo para os manter inalterados.
 Caia fora de uma conversação telefônica sem fim dizendo ao interlocutor que
“você está no meio de uma reunião, que retorna a ligação assim que puder”. Faça-o nos
últimos 15 minutos do fim do expediente do interlocutor. Ele certamente será bem mais
objetivo no que lhe tem a dizer.
 Comece por fazer o que você de fato deseja fazer agora. Nós não viveremos
eternamente. Temos apenas cada momento de que desfrutamos. A vida cintila como uma
estrela em nossas mãos – e derrete como um floco de neve. Assim é o tempo de nossa
vida. Ela só existe aqui e agora, nos momentos presentes em que vivemos. Até o passado
é presente, porque é o que fica do que passou.
 A escolha do que fazer define um estilo de vida. O estoque do tempo é
inexaurível, mas não pode ser armazenado para uso posterior. Como bem disse o poeta
Omar Khayyam, “O vinho da vida goteja gota a gota; as folhas da vida caem uma a uma”.
O que você gostaria de fazer hoje, mas aquiesce que não pode em função da pressão do
tempo que o leva a fazer outras coisas, pode nunca vir a ser feito. Perde-se nas brumas
do tempo, tão bem configurado no clássico do cinema “E o Vento Levou – as time goes
by”.
 Jamais remeta uma carta, memorando, fax ou e-mail a alguém quando estiver
com raiva, irritado ou com algum desentendimento que o perturbe. Pergunte-se antes:
“Você o remeteria se soubesse que o texto poderia ser publicado no boletim interno de
sua organização?”
 Antecipe-se sempre às crises, trabalhando previamente no que é importante
mas ainda não é também urgente. Reaja ao lugar comum: “Nada torna uma pessoa mais
produtiva do que o último minuto de que ela dispõe para concluir uma tarefa”. Ou pior
ainda: “Para realizar grandes e importantes tarefas, duas condições são necessárias:
planejamento e um tempo não muito flexível”.
 Estabeleça uma programação de tempo que o ajude a selecionar diária,
semanal e mensalmente as suas prioridades. Mas esteja sempre disponível a alterar ou
abandonar o que tiver que fazer sem quaisquer desapontamentos ou frustrações. É o
homem e suas circunstâncias, de que nos fala Ortega e Gasset em “A Rebelião das
Massas”. Temos que nos ajustar às contingências impostas pela dinâmica da vida quando
não as podemos alterar.
 Não se censure com pensamentos negativos, tais como – “eu jamais
conseguirei cumprir esse prazo”. Ao contrário, pense em afirmativas que você usaria para
motivar alguém, e as use para se auto-estimular e adotar uma atitude mental positiva em
relação ao que tem a fazer.
 Tire da cabeça qualquer expectativa de que possa manter-se permanentemente
atualizado com todas as últimas informações. Ninguém pode. Abarrotar-se de muitos
dados e fatos, de todos os detalhes, desvia a sua atenção do essencial e do importante,
ficando mais difícil para você concentrar-se nas suas prioridades reais e controlar o seu
tempo para as realizar. A concentração é a chave do sucesso, na medida em que libera
tempo para se dedicar ao que de fato faz a diferença.
 Focalize os resultados e não as atividades que os concretizam. O quanto você
trabalha não é tão importante como o quanto você realiza. A avaliação de desempenho
decorre da constatação dos resultados obtidos e não dos esforços despendidos.
 Fuja da dicotomia equivocada do tudo ou nada. Não se auto-avalie como um
sucesso ou fracasso em função de você conseguir realizar com êxito ou não cada uma de
suas atividades e tarefas. Compartimentalize o que tem a fazer por grupos de atividades
afins e dedique-se à realização de cada um de per si.
 Quando o seu superior lhe pedir para agregar qualquer informação adicional a
um documento, destaque o novo material no texto em revisão para que ele possa
rapidamente perceber as mudanças realizadas por você.
 Você solucionará um número muito maior de problemas e com rapidez se
concentrar a sua ação no que deve ser feito e não só no quem está com a razão ou está
lhe solicitando para fazer.
 Evite a procrastinação desnecessária, utilizando o “princípio dos dois minutos”:
se você pode concluir uma atividade em 2 minutos, não a adie para fazer depois. Faça-a
logo. O que demora, deteriora. Como diz o anúncio publicitário: “Não deixe para amanhã
o que pode fazer hoje”.
 Os primeiros passos estabelecem o ritmo da caminhada. Se de manhã você
perder por desorganização uma hora, tenderá a gastar todo o dia “em busca do tempo
perdido”, de que falava Albert Camus. A desorganização de seu tempo tende a criar
raízes, estabelecer um padrão de comportamento, tornar-se um hábito. Portanto, comece
todos os dias de trabalho de forma organizada, com o propósito de fixar um padrão de
comportamento que pouco a pouco se tornará na sua rotina do cotidiano.
 Busque em sua organização um lugar tranqüilo, que lhe garanta isolamento e
insulação por algum tempo, onde você possa se dedicar a um trabalho intelectual
produtivo sem que seja interrompido. Não precisa fazer disso segredo, mas, pelo
contrário, um retiro legitimado de reflexão negociado com seus colegas e superiores. Eles
o compreenderão e o respeitarão, pois, como diz o ditado popular “guerra avisada não
mata soldado”. E só o interromperão em caso de absoluta necessidade.

fonte: /www.wagnersiqueira.com.br/artigos


Crie um site com

  • Totalmente GRÁTIS
  • Design profissional
  • Criação super fácil

Este site foi criado com Webnode. Crie o seu de graça agora!